Biopolitica Thomas Lemke

A política no sentido clássico do termo refere-se à condição humana para além das necessidades materiais. O espaço público – a ágora – é o lugar da liberdade, da igualdade e da infinitude. Ao contrário, a casa – o oikos – é o lugar da necessidade, é onde se desenrolam os fatos materiais inerentes à nossa finitude: o trabalho e a fadiga do corpo, a reprodução, a saúde e a morte.

A biopolítica coloca no coração da política aquilo que usualmente está nos seus limites: o corpo e a vida. Vista assim, a biopolítica reintroduz o outro excluído da política. Como diz Thomas Lemke, nem a política nem a vida são aquilo que eram antes do advento da biopolítica.

As características dos seres humanos são agora medidas, observadas e compreendidas de modos que não se pensava antes. Lemke mostra como nossa compreensão dos processos da vida, da organização das populações e a necessidade de “governar” indivíduos e coletividades por meio de práticas de correção, exclusão, vigilância e disciplinamento.

Para saber mais, clique aqui