A Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS) vem manifestar a sua preocupação e o seu desacordo com mais uma edição do Prêmio Vale-Capes de Ciência e Sustentabilidade.

Desde a sua primeira edição, este prêmio causa-nos estranheza. As injustiças socioambientais e os desastres ecológicos causados pelos empreendimentos da Companhia Vale S.A. em vários estados do Brasil (Pará, Maranhão, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Espírito Santo) e também em outros países, são do conhecimento público e não somente da comunidade científica.

Mas aquele que é um dos maiores desastres socioambientais dos últimos tempos no Brasil deve ser lembrado aqui pela sua enormidade - o rompimento da barragem de rejeitos da empresa Samarco (Vale/BHP-Billinton) em Mariana, Minas Gerais, a 5 de novembro de 2015. Este desastre afeta drástica e dramaticamente a vida de povos indígenas, comunidades tradicionais e demais moradores da região da Bacia do Rio Doce e do Litoral do Espírito Santo. Este não foi o primeiro caso. Desde 1986 ocorreram oito acidentes de menores proporções somente no estado de Minas Gerais. Os recentes resultados do Inquérito da Polícia Civil indicam como causas do desastre em Mariana uma combinação de negligência e falhas.

A repetição destes eventos e as evidências cada vez maiores das atitudes negligentes da Vale S.A. em relação ao meio ambiente e aos direitos de pessoas e comunidades torna, ao nosso ver, insustentável uma parceria Vale-Capes para um prêmio de Ciência e Sustentabilidade. A referida empresa não goza da autoridade moral necessária para conferir legitimidade a qualquer premiação relativa a essa temática.

A Diretoria.